O que é sala de apoio à amamentação na empresa?

saladeamamentação

Sala de apoio a amamentação na empresa

 O que é sala de apoio à amamentação na empresa?

Em virtude de muitas  mulheres precisarem deixar seus filhos após a licença maternidade e retornar ao mercado de trabalho, o governo lançou uma nota técnica  com o  objetivo de orientar a instalação de salas de apoio à amamentação em empresas públicas ou privadas e a fiscalização desses ambientes pelas vigilâncias sanitárias locais. É uma nota técnica conjunta SAS/MS-ANVISA e está embasada na RDC/Anvisa nº 171 de 04 de setembro de 2006, que dispõe sobre o Regulamento Técnico para o funcionamento de Bancos de Leite Humano e na publicação “Banco de Leite Humano – Funcionamento, Prevenção e Controle de Riscos”

Qual a importância?

As salas de apoio à amamentação existentes em algumas empresas através dessa ação auxiliarão as nutrizes  que retornaram ao trabalho após a licença maternidade e que desejam manter a amamentação podem ordenhar o próprio leite e armazená-lo durante o horário de trabalho para, ao final do expediente, levar o leite coletado para o seu filho no domicílio ou até mesmo para doação a um BLH.

O que é necessário para montar a sala?

Para a instalação de uma sala de apoio à amamentação em empresas, podem ser utilizados alguns parâmetros definidos na RDC nº 171/2006 para a sala de ordenha: dimensionamento de 1,5m2 por cadeira de coleta e instalação de 01 (um) ponto de água fria e lavatório, para atender aos requisitos de cuidados de higiene das mãos e dos seios na coleta. Além do espaço necessário para a coleta do leite, a sala deve conter freezer com termômetro para monitoramento diário da temperatura. É importante que o ambiente destinado à sala de apoio à amamentação seja favorável ao reflexo da descida do leite, fundamental para uma boa ordenha. São facilitadores deste reflexo: ambiente tranqüilo e confortá- vel, que permita a adequada acomodação da nutriz, sem interrupções e interferências externas e, de preferência, que dê privacidade à mulher. Para atender a estas qualidades, o ambiente deve ser mobiliado com poltronas individualizadas que promovam melhor acolhimento e privacidade, podendo ser separadas por divisórias ou cortinas; deve possuir ventilação e iluminação, preferencialmente natural, ou prover a climatização para conforto, conforme preconizado na Resolução RE/Anvisa nº 9, de 16 de janeiro de 2003 – Orientação técnica revisada contendo padrões referenciais de qualidade de ar interior em ambientes de uso público e coletivo, climatizados artificialmente. Devem ser disponibilizados pelo serviço, ou pelas próprias trabalhadoras, frascos para a coleta e o armazenamento do leite e recipientes térmicos para o seu transporte.

Fonte: Norma técnica conjunta (Nº01/2010)da ANVISA e Vigilância Sanitária

19/05 – Dia nacional de doação de leite materno!

doaçãodeleite

Hoje dia 19/05 é comemorado dia nacional de doação de leite materno.

O leite materno é um alimento fundamental para o desenvolvimento da criança. Ele possui todos os nutrientes necessários, é rico em vitaminas, combate infecções, doenças e alergias. Amamentar também é um ato de amor, que aproxima mãe e filho.

Através da doação mais crianças têm acesso a este alimento completo, há uma diminuição da mortalidade infantil e também a conscientização das mamães que têm excesso de leite e podem ajudar outras crianças.

A mãe deve ordenhar seu leite e acondicionar corretamente ( ver informação a baixo)  e entrar em contato com os bancos de leite humano para fazer a doação. O banco de leite do instituto Fernandes Figueiras é referencia da América Latina e seu telefone de contato é 2554 1703.

Informações importante para a doação:

Quem pode ser doadora de leite humano?

Algumas mulheres quando estão amamentando produzem um volume de leite além da necessidade do bebê, o que possibilita que sejam doadoras de um Banco de Leite Humano.

De acordo com a legislação que regulamenta o funcionamento dos Bancos de Leite no Brasil (RDC Nº 171) a doadora, além de  apresentar excesso de leite, deve ser saudável, não usar medicamentos que impeçam a doação e se dispor a ordenhar e a doar o excedente.

Como doar?

Se você quer doar seu leite entre em contato com um Banco de Leite Humano.

Como preparar o frasco para coletar o leite humano?

– Escolha um frasco de vidro com tampa plástica, pode ser de café solúvel ou maionese;
– Retire o rótulo e o papelão que fica sob a tampa e lave com água e sabão, enxaguando bem;
– Em seguida coloque em uma panela o vidro e a tampa e cubra com água, deixando ferver por 15 minutos (conte o tempo a partir do início da fervura);
– Escorra a água da panela e coloque o frasco e a tampa para secar de boca para baixo em um pano limpo;
– Deixe escorrer a água do frasco e da tampa. Não enxugue;
– Você  poderá usar quando estiver seco.

Como se preparar para retirar o leite humano (ordenhar)?

O leite deve ser retirado depois que o bebê mamar ou quando as mamas estiverem muito cheias.

Ao retirar o leite é importante que você siga algumas recomendações que fazem parte da garantia de qualidade do leite humano distribuído aos bebês hospitalizados:

1- Escolha um lugar limpo, tranquilo e longe de animais;
2- Prenda e cubra os cabelos com uma touca ou lenço;
3- Evite conversar durante a retirada do leite ou utilize uma máscara ou fralda cobrindo o nariz e a boca;
4- Lave as mãos e antebraços com água e sabão e seque em uma toalha limpa.

Como retirar o leite humano (ordenhar)?

Comece fazendo massagem suave e circular nas mamas.

doação de leite 1

É ideal que o leite seja retirado de forma manual:

– Primeiro coloque os dedos polegar e indicador no local onde começa a aréola (parte escura da mama);
– Firme os dedos e empurre para trás em direção ao corpo;
– Comprima suavemente um dedo contra o outro, repetindo esse movimento várias vezes até o leite começar a sair;
– Despreze os primeiros jatos ou gotas e inicie a coleta no frasco.
Se você estiver com dificuldade de retirar seu leite, procure apoio no Banco de Leite Humano mais próximo de você. Acesse: http://www.redeblh.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=439

leite materno 2

Como guardar o leite retirado para doação?

O frasco com o leite retirado deve ser armazenado no congelador ou freezer.
Na próxima vez que for retirar o leite, utilize outro recipiente esterilizado e ao terminar acrescente este leite no frasco que está no freezer ou congelador.

O leite pode ficar armazenado congelado por até 15 dias.

O leite humano doado, após passar por processo que envolve seleção, classificação e pasteurização, é distribuído com qualidade certificada aos bebês internados em unidades neonatais.

Para os bancos de Leite Humano é  extremamente importante a doação de leite materno, pois algumas mães infelizmente não podem amamentar.

Comece fazendo massagem suave e circular nas mamas.

Aula Veiga de Almeida – Assistência Nutricional no Pré Natal.

Nossa querida Nutricionista, Adriana Lucia, teve o prazer de dar uma aula sobre “Assistência Nutricional no Pré Natal” aos alunos de graduação da Universidade Veiga de Almeida. Parabéns Adri!

palestra 1 palestra

palestra 3 palestra 1 palestra 2

Os 15 passos para escolher uma creche!

creche

Quantas dúvidas e perguntas surgem ao ter que escolher uma creche. Pensando nisso que separamos algumas sugestões para que possamos ajudar nesse momento tão importante para a família. Confira!

1- Pesquise as creches e escolas que combinam com o seu perfil, com o tipo de método que você gosta, a filosofia, tipos de eventos oferecidos, quais profissionais que você gostaria que tivesse lá para lhe atender e principalmente estar disponível para seu filho(a) quando ele(a) precisar. Faça um resumo do que você acha importante ter em uma creche e que combine com seu estilo de educação e o que você acredita para seu filho(a).

2-Consulte se as creches que você se identificou são legalizadas. Os documentos são: Alvará de funcionamento, CNPJ, Inscrição da Secretaria de Educação, Licença do Corpo de Bombeiros, certidões da Receita Federal, ISS, FGTS. Procure também na internet em sites oficiais. Peça para verificar também a Proposta Pedagógica da escola, leia, questione e tire suas dúvidas.

3- Indicações também são boas opções, mas cuidado pois o que é bom para seu amigo(a) pode não ser o que você procura ou prioriza. Mas vale a pena a dica.

4- Escolas e creches que agendam visitas devem ser questionadas, afinal para que agendar? O melhor é chegar sem hora marcada para avaliar e verificar exatamente como é o dia a dia e funcionamento da creche. Questione também quando a creche demorar muito para fazer a visita, pois é um indicativo de que estão arrumando algo, ou dando um “jeitinho” no local. As creches e escolas devem estar sempre prontas e apresentáveis as pessoas que desejam visitá-la.

5- Ao chegar no local escolha por onde começar a visita, com isso você evita que um roteiro seja seguido e com isso algo que estava errado (ou acontece errado ou contrário ao que você julga certo) seja camuflado.

6- Um dica SUPER importante: avalie e verifique TUDO o que possa oferecer perigo ao seu filho(a) e questione o por quê daquilo. Exemplo: escadas sem portão, quinas sem proteção, janelas sem redes, brinquedos pontudos, brinquedos quebrados, objetos pontiagudos em local de trânsito intenso, tomadas sem proteção, cozinha com livre acesso para a criança, pias com quinas, assento sanitário muito alto, degraus com quinas sem proteção, pisos escorregadios, etc.

7- Observe e avalie a luminosidade, ventilação, limpeza e higienização de cada local. Peça para visitar a cozinha e observe como os alimentos são preparados, como a cozinheira está vestida e a limpeza da cozinha. É muito importante saber que seu filho(a) estará em um ambiente limpo e arejado.

8- Observe também se as salas possuem ar condicionado (muito importante no Rio de Janeiro), se tem filtro ou bebedouro dentro ou próximo para estimular e facilitar a hidratação do seu filho(a) durante o dia.

9- Observe se os ambientes tem fácil acesso uns ao outros, por exemplo, a criança precisa subir ou descer escadas para ir ao banheiro? Isso dificulta a criança a ter acesso fácil e rápido e também torna-se perigoso.

10- Observe os espaços de cada sala, a quantidade de crianças por turma assim como o número de professores e auxiliares para cada faixa etária. ( De acordo com o MEC  – Parâmetros de Qualidade para a Educação Infantil a relação entre o número de crianças por agrupamento ou turma e o número de professores de Educação infantil varia de acordo com a faixa etária: 1 professora para cada 6 a 8 alunos de 0 a 2 anos / 1 professora para cada 15 crianças de 3 anos / 1 professora para cada 20 crianças acima de 4 anos) Cada creche ou escola organiza a quantidade de profissionais em turma de acordo com o bom senso, tamanho do espaço disponível, orçamento e etc. Pergunte e questione sempre.

11- A creche e escola precisa ser estruturada e com uma boa equipe de profissionais para oferecer um atendimento completo e eficaz para seu filho(a). Observe e pergunte se a eles possuem: nutricionista (com CRN), psicóloga, pedagoga, algumas possuem pediatra diariamente ou 3x por semana, professores graduados, auxiliares TREINADOS, berçaristas TREINADAS, etc.

12- Verifique se a creche ou escola oferece constantemente cursos, palestras, treinamentos e reciclagem para seus profissionais, principalmente para auxiliares e berçaristas que ficam a maior parte do tempo com as crianças.

13- Pergunte se existe algum estímulo oferecido aos funcionários, se eles estão sempre sorridente e dispostos.

14- No momento da visita peça para conhecer a equipe de profissionais, converse com a coordenadora, psicóloga, nutricionista, pergunte e tire suas dúvidas!

15- Verifique se a instituição faz parte de orgãos como: ASBREI (Associação Brasileira de Educação Infantil), SINEPE (Sindicato dos estabelecimentos de ensino no estado do RJ), SAAE (Sindicato dos auxiliares de administração escolar do estado do RJ), SEPE (Sindicato estadual dos profissionais de educação do RJ).

Receitinhas Doula: Festa de crianças com intolerância a lactose e alergia ao leite de vaca

receitafestas

Receitinhas para festa de crianças com intolerância a lactose e alergia ao leite de vaca

Brigadeiro de grão de bico

Ingredientes
100g de grao de bico cozido
200g de coco ralado
200g chocolate granulado meio amaro sem lactose
Melado, açúcar mascavo, tâmaras, uvas passas ou damascos secos para adoçar

Modo de fazer:
Processe o grão de bico até virar uma pasta, com parte do adoçante escolhido
Misture com os outros ingredientes
Processe mais uma vez
Faça pequenas bolinhas
Misture chocolate granulado com o coco ralado e o adoçante escolhido
Passe as bolinhas nessa mistura
#dica: deixe o grão de bico de molho, despreze água e troque por duas vezes. Assim, o
Só use adoçante se a criança for diabética caso contrario utilize açúcar demerara ou mascavo

Bolinho de grão de bico com quinoa

Ingredientes:
3 colheres de sopa de grão de bico cozido
1 1/2 colher de farinha de quinoa ( Cozinhe a quinoa. Coloque para secar no forno preaquecido ou torre. Processe.)
1 colher cacau em pó ou alfarroba
3 colheres de leite de coco ou leite de amêndoas  ou suco de laranja ou limão

Modo de fazer:
Misture os ingredientes e processe em liquidificador ou processador
Coloque em forminhas de silicone
Leve ao forno preaquecido
Asse por cerca de 20 minutos

Receitas para OS “SEM APETITE”

Se sua filha ou filho está naquela fase “não come”, “não quer comer” (apenas os salgados), tente essas:

Bolinhos de inhame

Cozinhe, descasque e amasse ligeiramente os inhames com um pouco de cebola ralada, cebolinha verde picadinha ou alho-porró em fatias fininhas, umas pitadas de orégano  e outras de sal. Junte farinha de trigo  ou fécula de batata para dar liga.Pincele com gema de ovo e asse no forno pré-aquecido.

Bolinho de arroz cozido

Ingredientes
2 xícaras (chá) de arroz cozido
1 colher (sopa) de cebola picada
2 colheres (sopa) salsinha ou coentro
4 colheres de óleo de canola ou de coco
1 xícara (chá) de farinha de trigo integral ou fécula de batata
1 pitada de sal

Modo de fazer:
Misture todos os ingredientes até formar uma pasta. Enrole os bolinhos, unte uma forma e asse em forno médio por 30 minutos.

Bolinho de mandioca

Cozinhe a mandioca até ficar macia
Amasse com garfo ou espremedor de batatas
Tempere com orégano (pouco), ou salsinha ou nirá bem picadinhos, sal e óleo  (1 colher pra dar liga)

Modo de fazer:
Forme os bolinhos com as mãos, unte o fundo da fôrma com óleo, e coloque os bolinhos
Leve ao forno quente até dourar.

Churros falso

Modo de fazer:
Pegue algumas bananas, corte ao meio, mergulhe em calda de chocolate ou alfarroba
Depois, passe em chocolate granulado, raspas de castanhas ou outro ingrediente interessante
Coloque na geladeira
Após cerca de meia hora, retire da geladeira.
Abra um buraco no centro, retirando a polpa
Coloque o recheio
Utilize um saco de confeitar para preencher o espaço com o creme escolhido

Receitinha Doula: Sugestão de receita para crianças de 3 a 6 anos

kibeinhame

Quibe de Inhame

 

Ingredientes:
½ xícara de trigo para quibe
6 inhames pequenos em cubos
½ cebola média picada
Manjericão e hortelã a gosto
1 tomate pequeno em rodelas
Sal à gosto
Margarina para untar

Modo de preparo:
Deixe o trigo de molho em água por 2 horas, escorra bem a água e reserve. Cozinhe os inhames e depois esprema-os com um garfo. Misture o trigo, a pasta de inhame, a cebola, o manjericão, a hortelã e tempere a gosto. Coloque em uma assadeira untada com margarina e decore com as rodelas de tomate. Leve ao forno médio por aproximadamente 20 minutos.

Rendimento: 4 porções

Panqueca de beterraba com recheio de legumes


Ingredientes da massa:

½ xícara (chá) beterraba ralada
½  xícara (chá) de farinha de trigo integral
1 ovo

½  xícara de leite
1 colher (café) sal à gosto

Ingredientes do recheio:
½  cenoura cozida
¼ maço de brócolis cozido

2 colheres de sobremesa de cream cheese
¼  cebola picada
orégano

Ingredientes do molho:
1 colher de sopa de óleo de soja
½ xícara de cebola picada
1 sache de molho de tomate (340g)
1 colher de chá de sal
ricota para polvilhar

Modo de preparo da massa:
Descasque e rale a beterraba. Coloque no liquidificador a farinha de trigo, os ovos, o leite e sal a gosto. Coloque a massa na frigideira com auxílio de uma concha e frite. Acrescente o recheio de sua preferência.

Modo de preparo do recheio:
Misture todos os ingredientes. Recheie as panquecas e enrole.

Modo de preparo do molho:
Em uma panela, esquente o óleo de soja, adicionando a cebola para refogar. Acrescente o molho de tomate e os temperos e deixe ferver, mexendo de vez em quando. Desligue e distribua sobre as panquecas.

Rendimento: 4 panquecas

Quando posso dar peixe para meu filho?

quando posso dar peixe

A Organização Mundial de Saúde recomenda que os bebês sejam amamentados exclusivamente até o sexto mês. Só após esse período, as nutricionistas e os pediatras indicam a introdução de alimentos sólidos, como frutas e papas salgadas. E o peixe pode fazer parte do cardápio do seu bebê já nessa fase.

Os benefícios desse alimento são muitos. Estudos mostram que os ácidos graxos ômega-3 (gordura poliinsaturada), encontrados principalmente no salmão e na sardinha, são importantes para o desenvolvimento do sistema nervoso central e da retina e na prevenção de doenças crônicas, como obesidade e hipertensão.

No caso de alergias é importante saber se os pais têm alergia, além disso a oferta a criança deve ser feita aos poucos. Isso porque, caso a criança apresente alguma reação, fica mais fácil identificar o que causou o problema. Com relação às espinhas, o ideal é escolher os peixes que têm poucas ou que não as tenham, como cação, linguado ou badejo. Se não for possível, deve-se retirá-las com cuidado e atenção, e sempre checar mais uma vez antes de oferecer ao bebê.

O principal cuidado, no entanto, vem antes de o peixe estar no prato da família – na hora da compra! Dê preferência para o pescado fresco, mais fácil de verificar a qualidade por meio do odor, textura e coloração. Observe se a carne está firme, brilhante e escorregadia; se os olhos estão brilhantes e protuberantes; e as brânquias úmidas e brilhantes, entre a cor de rosa e vermelho intenso. O peixe também deve estar conservado em meio a camadas de gelo.

Para quem prefere o peixe congelado ou congela o peixe fresco, é preciso atenção ao descongelar. Jamais o faça em temperatura ambiente, porque não é uniforme e pode gerar perda de qualidade, umidade e permitir o crescimento de micróbios. A recomendação é descongelar o pescado na geladeira, a 4 °C. E lembre-se: nunca congele novamente o peixe que foi descongelado. Após ter sido preparado, o alimento pode ser conservado na geladeira por até 24 horas.


Papa de peixe

Ingredientes
– 1 colher (sopa) de lentilha crua
– 400ml de água
– 35g de peixe ( pescada OU linguado)
– 1/3 de batata média descascada e picada
– 1 ½ colher (sopa) de cenoura descascada e picada
– 2 folhas de couve picadas
– ½ dente de alho picado
– 1 colher (café) de salsinha picada
– 1 colher (café) de azeite

O peixe, é uma boa fonte de ômega 3 e deve estar presente na rotina alimentar do bebê

Modo de preparo
Deixe a lentilha de molho de um dia para o outro em água. Dispense a água.Em uma panela de pressão, coloque as lentilhas e 400ml de água e leve para cozinhar. Quando pegar pressão, aguarde mais 20 minutos. Retire a pressão, abra a panela e adicione o peixe, a batata, a cenoura, a couve e o alho. Feche novamente a panela e volte para o fogo. Cozinhe na pressão por mais 20 minutos. Ao final do cozimento, adicione a salsinha picada, deixe no fogo por mais 1 minuto. Caso ainda tenha água na panela, deixe cozinhando até que essa evapore (não descarte água, pois ela contém muitos nutrientes importantes).

É importante que os ingredientes cozinhem até ficarem bem amolecidos, fáceis de amassar com o garfo.

Transfira o conteúdo da panela para um recipiente. Amasse bem os vegetais e desfie muito bem o peixe, tome cuidado e fique atenta pare retirar todos os espinhos do peixe. É importante que não fiquem pedaços dos alimentos, lembre-se que este é um dos primeiros contatos do bebê com alimentos diferentes do leite; a gengiva já realiza um processo parecido com a mastigação, mas a ausência de dentes não permite alimentos duros ou em pedaços.

Rendimento: 1 porção. Cada porção corresponde a 2/3 de xícara de chá da papinha.

Valor calórico por porção: 192 kcal.

Receitinha Doula – Biscoito de batata sem gluten

Receita de biscoito de batata sem gluten

Biscoito de batata sem gluten

Ingredientes:

2 batatas medias cozidas e espremidas
3 colheres de sopa de farinha de arroz
2/3 de xicara de amido de milho
1 gema
50gr de margarina
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de fermento em pó
1 com de sopa de orégano (opcional)

Modo de fazer:

Misture todos os ingredientes secos e acrescente a gema e margarina. Acrescente a batata e misture bem. Se ficar muito mole acrescente mais farinha de arroz  ou de milho. Abra pequenas porções de massa e corte os biscoitinhos e coloque em uma assadeira untada. Asse em forno médio por 15 min até dourar, depois vire os biscoitos para dourar o outro lado por cerca de 5 minutos.

Alimentos que não podem faltar na alimentação das grávidas!

alimentosquenaopodemfaltargravidas

Existem 3 tipos de alimentos que não podem faltar na alimentação das grávidas:

Carboidratos – Os carboidratos devem fazer parte das preparações das gestantes para aumentar a reserva energética afim de evitar que o corpo utilize as proteínas como energia. As melhores fontes são os pães e arroz integrais, pois possuem mais nutrientes, além das frutas.

Feijões, vegetais verdes escuros, carnes e vísceras – Os feijões e vegetais verdes escuros são boas fontes de ferro não Heme (ferro mais difícil de ser absorvido) para melhor absorção desse tipo de ferro é necessário o consumo de alimentos ricos em vitamina C (goiaba, acerola, laranja, tangerina, limonada, maracujá, caju) logo após as refeições. Já as carnes e visceras possuem muito boa fonte de ferro Heme (melhor absorvível) portanto deve ser aconselhado o consumo pelo menos 3 vezes na semana de carnes vermelhas, 2 vezes na semana de frango, 1 vez na semana viacera ou ovo,  1 vez na semana peixe.

Leite e derivados 
– Ricos em cálcio, o leite e seus derivados estão relacionados com a formação de ossos e dentes do bebê.  A ingestão recomendada para gestantes é de três a quatro copos de leite por dia (1000 mg) ou derivados.  Couve, agrião, mostarda, brócolis, sardinha em lata, feijão e produtos à base de soja, como tofu, também são ricos em cálcio.

Exemplo de cardápio

Prato principal

Arroz integral, feijão, ovos batidinhos com espinafre, isca de carne com molho de mostarda

Bebida

Suco de maracujá

Sobremesa

mamão

Purê de batata ( sem leite) lentilha,,fígado, couve refogada no alho Suco de  goiaba laranja
Macarrão, feijão manteija, filé de frango, brócolis  refogado no azeite Suco de laranja com beterraba tangerina