Os 15 passos para escolher uma creche!

creche

Quantas dúvidas e perguntas surgem ao ter que escolher uma creche. Pensando nisso que separamos algumas sugestões para que possamos ajudar nesse momento tão importante para a família. Confira!

1- Pesquise as creches e escolas que combinam com o seu perfil, com o tipo de método que você gosta, a filosofia, tipos de eventos oferecidos, quais profissionais que você gostaria que tivesse lá para lhe atender e principalmente estar disponível para seu filho(a) quando ele(a) precisar. Faça um resumo do que você acha importante ter em uma creche e que combine com seu estilo de educação e o que você acredita para seu filho(a).

2-Consulte se as creches que você se identificou são legalizadas. Os documentos são: Alvará de funcionamento, CNPJ, Inscrição da Secretaria de Educação, Licença do Corpo de Bombeiros, certidões da Receita Federal, ISS, FGTS. Procure também na internet em sites oficiais. Peça para verificar também a Proposta Pedagógica da escola, leia, questione e tire suas dúvidas.

3- Indicações também são boas opções, mas cuidado pois o que é bom para seu amigo(a) pode não ser o que você procura ou prioriza. Mas vale a pena a dica.

4- Escolas e creches que agendam visitas devem ser questionadas, afinal para que agendar? O melhor é chegar sem hora marcada para avaliar e verificar exatamente como é o dia a dia e funcionamento da creche. Questione também quando a creche demorar muito para fazer a visita, pois é um indicativo de que estão arrumando algo, ou dando um “jeitinho” no local. As creches e escolas devem estar sempre prontas e apresentáveis as pessoas que desejam visitá-la.

5- Ao chegar no local escolha por onde começar a visita, com isso você evita que um roteiro seja seguido e com isso algo que estava errado (ou acontece errado ou contrário ao que você julga certo) seja camuflado.

6- Um dica SUPER importante: avalie e verifique TUDO o que possa oferecer perigo ao seu filho(a) e questione o por quê daquilo. Exemplo: escadas sem portão, quinas sem proteção, janelas sem redes, brinquedos pontudos, brinquedos quebrados, objetos pontiagudos em local de trânsito intenso, tomadas sem proteção, cozinha com livre acesso para a criança, pias com quinas, assento sanitário muito alto, degraus com quinas sem proteção, pisos escorregadios, etc.

7- Observe e avalie a luminosidade, ventilação, limpeza e higienização de cada local. Peça para visitar a cozinha e observe como os alimentos são preparados, como a cozinheira está vestida e a limpeza da cozinha. É muito importante saber que seu filho(a) estará em um ambiente limpo e arejado.

8- Observe também se as salas possuem ar condicionado (muito importante no Rio de Janeiro), se tem filtro ou bebedouro dentro ou próximo para estimular e facilitar a hidratação do seu filho(a) durante o dia.

9- Observe se os ambientes tem fácil acesso uns ao outros, por exemplo, a criança precisa subir ou descer escadas para ir ao banheiro? Isso dificulta a criança a ter acesso fácil e rápido e também torna-se perigoso.

10- Observe os espaços de cada sala, a quantidade de crianças por turma assim como o número de professores e auxiliares para cada faixa etária. ( De acordo com o MEC  – Parâmetros de Qualidade para a Educação Infantil a relação entre o número de crianças por agrupamento ou turma e o número de professores de Educação infantil varia de acordo com a faixa etária: 1 professora para cada 6 a 8 alunos de 0 a 2 anos / 1 professora para cada 15 crianças de 3 anos / 1 professora para cada 20 crianças acima de 4 anos) Cada creche ou escola organiza a quantidade de profissionais em turma de acordo com o bom senso, tamanho do espaço disponível, orçamento e etc. Pergunte e questione sempre.

11- A creche e escola precisa ser estruturada e com uma boa equipe de profissionais para oferecer um atendimento completo e eficaz para seu filho(a). Observe e pergunte se a eles possuem: nutricionista (com CRN), psicóloga, pedagoga, algumas possuem pediatra diariamente ou 3x por semana, professores graduados, auxiliares TREINADOS, berçaristas TREINADAS, etc.

12- Verifique se a creche ou escola oferece constantemente cursos, palestras, treinamentos e reciclagem para seus profissionais, principalmente para auxiliares e berçaristas que ficam a maior parte do tempo com as crianças.

13- Pergunte se existe algum estímulo oferecido aos funcionários, se eles estão sempre sorridente e dispostos.

14- No momento da visita peça para conhecer a equipe de profissionais, converse com a coordenadora, psicóloga, nutricionista, pergunte e tire suas dúvidas!

15- Verifique se a instituição faz parte de orgãos como: ASBREI (Associação Brasileira de Educação Infantil), SINEPE (Sindicato dos estabelecimentos de ensino no estado do RJ), SAAE (Sindicato dos auxiliares de administração escolar do estado do RJ), SEPE (Sindicato estadual dos profissionais de educação do RJ).

Anúncios

Receitinha Doula: Sugestão de receita para crianças de 3 a 6 anos

kibeinhame

Quibe de Inhame

 

Ingredientes:
½ xícara de trigo para quibe
6 inhames pequenos em cubos
½ cebola média picada
Manjericão e hortelã a gosto
1 tomate pequeno em rodelas
Sal à gosto
Margarina para untar

Modo de preparo:
Deixe o trigo de molho em água por 2 horas, escorra bem a água e reserve. Cozinhe os inhames e depois esprema-os com um garfo. Misture o trigo, a pasta de inhame, a cebola, o manjericão, a hortelã e tempere a gosto. Coloque em uma assadeira untada com margarina e decore com as rodelas de tomate. Leve ao forno médio por aproximadamente 20 minutos.

Rendimento: 4 porções

Panqueca de beterraba com recheio de legumes


Ingredientes da massa:

½ xícara (chá) beterraba ralada
½  xícara (chá) de farinha de trigo integral
1 ovo

½  xícara de leite
1 colher (café) sal à gosto

Ingredientes do recheio:
½  cenoura cozida
¼ maço de brócolis cozido

2 colheres de sobremesa de cream cheese
¼  cebola picada
orégano

Ingredientes do molho:
1 colher de sopa de óleo de soja
½ xícara de cebola picada
1 sache de molho de tomate (340g)
1 colher de chá de sal
ricota para polvilhar

Modo de preparo da massa:
Descasque e rale a beterraba. Coloque no liquidificador a farinha de trigo, os ovos, o leite e sal a gosto. Coloque a massa na frigideira com auxílio de uma concha e frite. Acrescente o recheio de sua preferência.

Modo de preparo do recheio:
Misture todos os ingredientes. Recheie as panquecas e enrole.

Modo de preparo do molho:
Em uma panela, esquente o óleo de soja, adicionando a cebola para refogar. Acrescente o molho de tomate e os temperos e deixe ferver, mexendo de vez em quando. Desligue e distribua sobre as panquecas.

Rendimento: 4 panquecas

Receitinha Doula – Biscoito de batata sem gluten

Receita de biscoito de batata sem gluten

Biscoito de batata sem gluten

Ingredientes:

2 batatas medias cozidas e espremidas
3 colheres de sopa de farinha de arroz
2/3 de xicara de amido de milho
1 gema
50gr de margarina
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de fermento em pó
1 com de sopa de orégano (opcional)

Modo de fazer:

Misture todos os ingredientes secos e acrescente a gema e margarina. Acrescente a batata e misture bem. Se ficar muito mole acrescente mais farinha de arroz  ou de milho. Abra pequenas porções de massa e corte os biscoitinhos e coloque em uma assadeira untada. Asse em forno médio por 15 min até dourar, depois vire os biscoitos para dourar o outro lado por cerca de 5 minutos.

Atenção: Fique por dentro dos riscos que o excesso de sódio para crianças e bebês!

excessosodio

Alguns alimentos “aparentemente” inofensivos, são comumente oferecido pelas mães aos bebês, mas muitos possuem uma quantidade de sódio que pode causar vários malefícios aos bebês. O sódio em excesso, complica o trabalho dos rins, que não vão conseguir eliminá-lo. Ele vai provocar a retenção de água e aumenta a pressão arterial, causando, com o tempo, problemas cardiovasculares e renais. Hoje muitas crianças já apresentam as consequências do consumo excessivo do sódio através de alguns alimentos. Por dia uma criança de 1 a 3 anos deve consumir 1000mg de sódio por dia. Portanto segue uma lista com alguns alimentos ricos em sódio.

Macarrão instantâneo com tempero 2721mg (85g).

Macarrão instantâneo sem tempero 1198mg (85g).

Hamburguer bovino 567mg 80gr.

Salsicha 551mg 50mg.

Biscoito de polvilho 270mg 30gr.

Biscoito cream craker 230mg 30gr.

Salgadinho de milho 176,9 mg 25gr.

Saiba a importância do potássio para a gestante.

potassiogestante

O potássio é um mineral importante para a gestante, pois tem duas funções básicas.

A primeira é que o excesso de sódio pode provocar edema nas gestantes, além de elevar a pressão, logo o consumo de alimentos fontes de potássio podem ajudar a regular a pressão. Arterial. Outra questão é que na gravidez é muito comum as mulheres terem câimbras devido à má circulação sanguínea. O consumo de alimentos fonte de potássio auxilia bastante causando alivio.

Exemplo de alimentos fonte: abacate, ameixa, abacaxi, laranja pera, banana, mamão, maracujá, melão, tamarino. Acelga, aipo, batatas, beterraba, brócolis, chicória, água de coco, ervilha, espinafre, grão de bico, mandioca, milho, rabanete e bertalha.

Quais as quantidades certas dos alimentos que devem fazer parte da comida do meu bebê?

quantidadecerta

Como o bebê precisa de energia para se desenvolver logo os carboidratos vão ajuda-lo nisso. Evite colocar mais de uma variedade desses alimentos, pois o excesso pode levar a obesidade.

O estomago de um bebê de 1 ano tem capacidade máxima de 1 xicara de chá (+- 180 a 200ml).

Quantidades por porção:

– Macarrão, arroz (integral ou branco), aipim cozido (2 colheres de sopa cada).

– Batata cozida pequena (1 unidade).

– Biscoito de leite (3 unidades).

As bebidas à base de soja não devem ser dadas para bebês. Saiba por que!

soja

O consumo excessivo de soja não-fermentada, mesmo sem o açúcar, pode causar alterações hormonais (puberdade precoce) ou prejudicar a absorção de outros nutrientes.

As crianças alérgicas não devem consumir soja em substituição ao leite de vaca. Caso seja prescrito para a criança, o ideal seria uma formula especial para alérgicos ou leite de outros alimentos (amêndoas, arroz etc…)

Um cardápio rico em cálcio, sem caseína ou soja é o ideal. Hoje em dia já temos vários produtos que podem ser substitutos.

Soja pode dar alergia cruzada. Inicialmente a criança não sente nada até que surgem os probleminhas como: otite, chiados no peito, gripes ou algo mais sério como: refluxo, pneumonia, asma.

Caso seja realmente necessário oferecer, procure pelas fórmulas á base de soja, não bebidas ou “leite” de soja vendidos em mercados como se fossem leite mesmo. As propagandas dizem que esses “leites” são ricos em cálcio mas infelizmente não diz que é tudo artificial.

11 DICAS IMPORTANTES QUE AUXILIAM NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL

criança

1. Capriche na apresentação do prato 
As crianças comem, sim, com os olhos. Um prato bem decorado, colorido e criativo faz toda a diferença.. 

2. Invista em alimentos pequenos 
Alimentos picadinhos ou bem pequenos podem ser um aliado  para a criança que tem dificuldade de comer, pois ela passa a achar que aquele alimento pequeno foi feito só para ela, além disso por ser menor acha que vai comer menos.

3. Evite bebidas durante a refeição 
Diminua  o volume de líquidos durante as refeições e dê preferência evite as gasosas. Os líquidos ajudam a saciar a fome, ou dão a sensaçãode saciedade, ou seja, de estar satisfeito.


4. Ofereça primeiro o que ele menos gosta 
A maioria dos pais costumam fazer o contrário, mas o melhor para a criança que não come verduras é tê-las à vista antes dos outros pratos da refeição. Assim, ela estará com fome e pode consumir esta preparação mais facilmente. 

5. Mantenha os alimentos saudáveis em lugares acessíveis 
Mantenha as frutas expostas na cozinha de preferência já picadinhas e descascadas na geladeira,  prontas para serem alvos de uma criança faminta. A fórmula também pode funcionar para legumes, como cenouras e pepinos. 

6. Cozinhe com seu filho
Estimular a criança a colocar a mão na massa pode fazê-la se alimentar melhor. Sem duvida é uma das melhores estratégias para alcançar as crianças, pois  ir para a cozinha e e colocar a mão na massa faz com que as crianças criem intimidade com os alimentos e com isso será mais fácil de quererem experimentar. 


7. Envolva a criança na escolha do cardápio da semana 
Estimule a criança a ir para a cozinha e faça com que esses momentos sejam divertidos.  Peça a ajuda dela para montar o cardápio da semana, envolva ela na escolha dos pratos. Quando você for  a um restaurante com ela, deixe que ela escolha seu prato e você o dela, é uma maneira divertida e diferente de estimular e dar exemplo. Sem ameaças, a pior coisa que pode ser feita é obrigar a criança a comer. 

8. Fique tranquilo com a sujeira 
Inicialmente deixe que eles coloquem as mãos e sintam a textura, mesmo que façam sujeira. O mais importante é que eles sintam curiosidade em conhecer mais o alimento e associem comer com algo muito divertido. Estimule eles a comerem sozinhos, mesmo que suje no início.

9. Leve seu filho ao mercado ou faça uma hortinha em casa 
Levar as crianças para as compras do mês também pode ser uma ótima ideia para envolvê-los com a alimentação, mas evite de leva-los ao mercado com fome. Leve-os a feiras livres, peça para experimentar alguns alimentos. Outra  alternativa é fazer uma hortinha em casa, ou mesmo cultivar pequenos vasos de tempero. Além de facilitarem a culinária, ampliam o repertório de alimentos.


10. Transforme o ato de comer em uma brincadeira 
Por menor que pareça, o uso da imaginação empolga – e muito – as crianças. Usar  como referencia os pratos prediletos de alguns personagens como o espinafre do Popeye, sopa da Barbie (com beterraba, que fica rosa), dentre outros. 


11. Varie os formatos
 
Use cortadores diferentes para fazer formatos divertidos de pães e frutas. Use forminhas para a preparação de bolinhos individuais. Use e abuse da criatividade.

alimentos