Quando posso dar peixe para meu filho?

quando posso dar peixe

A Organização Mundial de Saúde recomenda que os bebês sejam amamentados exclusivamente até o sexto mês. Só após esse período, as nutricionistas e os pediatras indicam a introdução de alimentos sólidos, como frutas e papas salgadas. E o peixe pode fazer parte do cardápio do seu bebê já nessa fase.

Os benefícios desse alimento são muitos. Estudos mostram que os ácidos graxos ômega-3 (gordura poliinsaturada), encontrados principalmente no salmão e na sardinha, são importantes para o desenvolvimento do sistema nervoso central e da retina e na prevenção de doenças crônicas, como obesidade e hipertensão.

No caso de alergias é importante saber se os pais têm alergia, além disso a oferta a criança deve ser feita aos poucos. Isso porque, caso a criança apresente alguma reação, fica mais fácil identificar o que causou o problema. Com relação às espinhas, o ideal é escolher os peixes que têm poucas ou que não as tenham, como cação, linguado ou badejo. Se não for possível, deve-se retirá-las com cuidado e atenção, e sempre checar mais uma vez antes de oferecer ao bebê.

O principal cuidado, no entanto, vem antes de o peixe estar no prato da família – na hora da compra! Dê preferência para o pescado fresco, mais fácil de verificar a qualidade por meio do odor, textura e coloração. Observe se a carne está firme, brilhante e escorregadia; se os olhos estão brilhantes e protuberantes; e as brânquias úmidas e brilhantes, entre a cor de rosa e vermelho intenso. O peixe também deve estar conservado em meio a camadas de gelo.

Para quem prefere o peixe congelado ou congela o peixe fresco, é preciso atenção ao descongelar. Jamais o faça em temperatura ambiente, porque não é uniforme e pode gerar perda de qualidade, umidade e permitir o crescimento de micróbios. A recomendação é descongelar o pescado na geladeira, a 4 °C. E lembre-se: nunca congele novamente o peixe que foi descongelado. Após ter sido preparado, o alimento pode ser conservado na geladeira por até 24 horas.


Papa de peixe

Ingredientes
– 1 colher (sopa) de lentilha crua
– 400ml de água
– 35g de peixe ( pescada OU linguado)
– 1/3 de batata média descascada e picada
– 1 ½ colher (sopa) de cenoura descascada e picada
– 2 folhas de couve picadas
– ½ dente de alho picado
– 1 colher (café) de salsinha picada
– 1 colher (café) de azeite

O peixe, é uma boa fonte de ômega 3 e deve estar presente na rotina alimentar do bebê

Modo de preparo
Deixe a lentilha de molho de um dia para o outro em água. Dispense a água.Em uma panela de pressão, coloque as lentilhas e 400ml de água e leve para cozinhar. Quando pegar pressão, aguarde mais 20 minutos. Retire a pressão, abra a panela e adicione o peixe, a batata, a cenoura, a couve e o alho. Feche novamente a panela e volte para o fogo. Cozinhe na pressão por mais 20 minutos. Ao final do cozimento, adicione a salsinha picada, deixe no fogo por mais 1 minuto. Caso ainda tenha água na panela, deixe cozinhando até que essa evapore (não descarte água, pois ela contém muitos nutrientes importantes).

É importante que os ingredientes cozinhem até ficarem bem amolecidos, fáceis de amassar com o garfo.

Transfira o conteúdo da panela para um recipiente. Amasse bem os vegetais e desfie muito bem o peixe, tome cuidado e fique atenta pare retirar todos os espinhos do peixe. É importante que não fiquem pedaços dos alimentos, lembre-se que este é um dos primeiros contatos do bebê com alimentos diferentes do leite; a gengiva já realiza um processo parecido com a mastigação, mas a ausência de dentes não permite alimentos duros ou em pedaços.

Rendimento: 1 porção. Cada porção corresponde a 2/3 de xícara de chá da papinha.

Valor calórico por porção: 192 kcal.

Anúncios

Receitinha Doula – Biscoito de batata sem gluten

Receita de biscoito de batata sem gluten

Biscoito de batata sem gluten

Ingredientes:

2 batatas medias cozidas e espremidas
3 colheres de sopa de farinha de arroz
2/3 de xicara de amido de milho
1 gema
50gr de margarina
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de fermento em pó
1 com de sopa de orégano (opcional)

Modo de fazer:

Misture todos os ingredientes secos e acrescente a gema e margarina. Acrescente a batata e misture bem. Se ficar muito mole acrescente mais farinha de arroz  ou de milho. Abra pequenas porções de massa e corte os biscoitinhos e coloque em uma assadeira untada. Asse em forno médio por 15 min até dourar, depois vire os biscoitos para dourar o outro lado por cerca de 5 minutos.

Pirâmide Alimentar Infantil

piramidealimentar

Você sabe qual a importância da pirâmide Alimentar Infantil?

A pirâmide é um instrumento importante para auxiliar os pais no que se refere aos grupos alimentares e suas quantidades necessárias. Quanto maior o acesso da criança  aos grupos alimentares maior será a chance de uma  alimentação  variada e adequada.

Cada andar da pirâmide representa um grupo alimentar e o consumo adequado em quantidade ideal vai permitir que as recomendações nutricionais para as crianças (de acordo com a faixa etária) sejam alcançadas. Portanto é importante o oferecimento de cada grupo e de forma variada a fim de evitar a recusa por causa da monotonia. De acordo com cada faixa de idade a quantidade de porções diárias  dos alimentos é aumentada para poder suprir as necessidades nutricionais da criança.

Grupo 1 carboidratos: pães, biscoitos sem recheio, arroz, macarrão, tubérculos(batata, aipim, inhame ,cará), tapioca, pipoca. Esse grupo é muito importante por que a partir dos 6 meses a criança começa a receber a alimentação complementar ,além disso ela  precisará de mais energia para fazer suas atividades pelo fato de começar a engatinhar e andar.

Grupo 2 Verduras e legumes : espinafre, agrião, couve, chicória, cheiro verde, cenoura, beterraba, tomate, chuchu, abobora, abobrinha, etc…

Frutas: maçã, banana, caqui, laranja, goiaba, tangerina, manga, kiwi, ameixa, nectarina, (uva  abacaxi e abacate  deve ser consumida a partir de 1 ano).Esses dois grupos são importantes por que auxiliam na regulação do corpo do bebê pelo fato de serem ricos em vitaminas e minerais.

Grupo 3 Leite e derivados: queijos, requeijão, leite

Carnes e vísceras: frango ,rã, carne vermelha, ovos  e vísceras

Leguminosas: Feijão, lentilha, ervilha, grão de bico, soja.

Esse grupo é importante por que são os construtores ou seja auxiliam na construção do sistema imune e estrutura muscular do bebê. Algumas observações devem ser feitas em relação a esse grupo: o ideal é que o leite de origem animal ,principalmente o de vaca deve ser oferecido depois de 1 ano de vida. Os derivados podem ser oferecidos a partir dos 8 meses. A família deve ficar atenta a qualquer reação alérgica. A clara de ovo deve ser oferecida após 8 meses de vida ,pois é alergênica. A gema pode ser oferecida antes .As vísceras podem ser consumidas mas deve-se oferecer no máximo 1 vez na semana ou de 15 em 15 dias. As carnes e vísceras só devem ser consumidas pelos bebês a partir de 7 meses ,antes disso é aconselhável cozinhar juntos com os outros ingredientes da papa e descartar após o cozimento. Quanto a soja deve ser evitada antes do primeiro ano do bebê ,pois também é alergênica e a disponível no pais é transgênica.

Grupo 4 Gorduras e óleos :  óleo de soja, canola e girassol, além das manteigas e margarinas. Esse grupo é importante por que é rico em vitaminas A ( auxilia no revestimento das mucosas, visão, cabelo), Vitamina D ( importante para a estruturação óssea e estimulada através do sol) vitamina E ( auxilia na formação de hormônios ) e Vitamina K ( auxilia na coagulação sanguínea.

A água deve ser à base da alimentação. Como a água não tem sabor é difícil alguém gostar inicialmente principalmente a criança, então o estimulo da família transformará num hábito .

Temperos como cebola  e alho podem ser utilizados na culinária infantil mas em pequenas quantidades para evitar mascarar o gosto do alimento. Uma dica importante é retirar o filete do alho para evitar que o bebê tenha indigestão.

O sal  e açúcar só devem entrar na alimentação da criança depois de 1 ano.

Você sabe o que é lista de substituição?

A lista de substituição é uma tabela que contem em porções (medida caseira e gramas) a quantidade de alimentos que a criança deve comer por vez e quais alimentos podemos substituir do mesmo grupo afim de que a criança tenha a alimentação variada e não deixe de receber os nutrientes que precisa.

Carboidratos

  • 2 colheres de sopa de: aipim cozido ou macaxeira ou mandioca ou arroz branco ou arroz integral  cozido  ou aveia em flocos (1 col de sobremesa);
  • 1 unidade pequena de batata cozida (qualquer tipo), inhame;
  • 1/2 unidade de pão tipo francês, 1 fatia de pão de forma branco ou integral;
  • 1 bisnaguinha, 1 brioche;
  • 3 unidades de biscoito de leite ou tipo “cream craker” integral;
  • 4 unidades de biscoito tipo “maria” ou “maisena”;
  • 1 /2 fatia de bolo simples sem recheio e cobertura;
  • 3 biscoito tipo amanteigado;
  • ¼ xicara Cereal matinal com fibras;

Frutas

  • 1/2 unidade de banana prata ou caqui ou pera ou maçã ( se come uma inteira não há problema);
  • 1 unid kiwi ou laranja Lima oulimão ou nectarina ou pêssego;
  • 2 unidades de ameixa preta /vermelha;
  • 4 gomos de laranja bahia ou seleta;
  • 6 gomos de tangerina;
  • 9 unidades de morango (pequenos);
  • 6 unidades de uva sem caroço (a partir de 1 ano);
  • Sucos em torno de 150ml;

Hortaliças

  • 1 colher de sopa de beterraba( crua ralada/cozida) ou abobora ou cenoura (crua /refogada ou cozida) ou chuchu (cozido ou refogado) ou couve manteiga cozida;
  • 2 colheres de sopa de abobrinha ou brócolis cozido ou couve flor picada;
  • 1 unidade de ervilha torta ou vagem;
  • ¼  xicara de folhas picadas  de alface ,espinafre, acelga, chicória;

Leguminosas

  • 1 colher de sopa de feijão cozido ou ervilha seca cozida ou
  • 1/2 colher de sopa de feijão branco cozido ou lentilha cozida ( evitar a soja até se possível 2 anos);

Carnes em Geral

  • carne cozida ou fi lé de frango cozido (50 gr);
  • 1 unidade de espetinho de carne ou ovo cozido ou moela ensopada;
  • 2 unidades de coração de frango;
  • 1/2 fatia de carne bovina cozida ou assada;
  • 2 colheres de sopa rasas de carne bovina moída refogada;
  • omelete simples (1 ovo);
  • mini coxa de frango cozida;
  • hambúrguer caseiro;

As visceras devem ser consumidas no máximo 1 vez a semana e sendo de boa procedência (evite tripeiro).

Leite e derivados uma porção equivale a:

  • 1 copo de leite integral de vaca 100ml;
  • 1 pote de bebida láctea ou iogurte de frutas ou iogurte integral;
  • 2 colheres de sopa de leite em pó;
  • ¼ fatias de moçarela;
  • 2 fatias de queijo minas ou pasteurizado (polenguinho) ou prato;
  • 1 colher de sopa rasa de requeijão, cream cheese, creme de ricota;

Óleos e gorduras

  • 1 colher de sobremesa de azeite de oliva ou óleo de soja ou canola ou milho ou girassol, óleo de soja;
  • 1 colher de sobremesa de manteiga ou margarina;

Açúcares – após 1 ano de idade

  • 1 colher de sopa de açúcar refi nado ou açúcar mascavo (a partir de 1 ano por dia);
  • 2 colheres de sobremesa de geléia;

Noções basicas:

– Escolha dos ingredientes:

Os alimentos que compõem a papinha do bebê devem sempre ter um bom aspecto, uma procedência confiável e estar no prazo de validade. Legumes, verduras e frutas precisam ser bem frescos, lavados para retirar vestígios de sujeiras e bichinhos. Na hora de cozinhar, lave as mãos e evite espirrar ou tossir sobre os ingredientes. Prefira os alimentos da safra pois além de serem mais ricos em vitaminas e minerais também estão mais baratos.

– Como fazer a papinha:

Pique os ingredientes escolhidos e coloque em uma panela comum. Deixe cozinhar em fogo baixo até que todos os produtos estejam moles. Amasse com o garfo até  virar um purê – e a partir de 8 meses ofereça picadinho. A quantidade deve ser no máximo 4 colheres de sopa para iniciar as primeiras papinhas, mas isso varia de uma criança para outra.

11 DICAS IMPORTANTES QUE AUXILIAM NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL

criança

1. Capriche na apresentação do prato 
As crianças comem, sim, com os olhos. Um prato bem decorado, colorido e criativo faz toda a diferença.. 

2. Invista em alimentos pequenos 
Alimentos picadinhos ou bem pequenos podem ser um aliado  para a criança que tem dificuldade de comer, pois ela passa a achar que aquele alimento pequeno foi feito só para ela, além disso por ser menor acha que vai comer menos.

3. Evite bebidas durante a refeição 
Diminua  o volume de líquidos durante as refeições e dê preferência evite as gasosas. Os líquidos ajudam a saciar a fome, ou dão a sensaçãode saciedade, ou seja, de estar satisfeito.


4. Ofereça primeiro o que ele menos gosta 
A maioria dos pais costumam fazer o contrário, mas o melhor para a criança que não come verduras é tê-las à vista antes dos outros pratos da refeição. Assim, ela estará com fome e pode consumir esta preparação mais facilmente. 

5. Mantenha os alimentos saudáveis em lugares acessíveis 
Mantenha as frutas expostas na cozinha de preferência já picadinhas e descascadas na geladeira,  prontas para serem alvos de uma criança faminta. A fórmula também pode funcionar para legumes, como cenouras e pepinos. 

6. Cozinhe com seu filho
Estimular a criança a colocar a mão na massa pode fazê-la se alimentar melhor. Sem duvida é uma das melhores estratégias para alcançar as crianças, pois  ir para a cozinha e e colocar a mão na massa faz com que as crianças criem intimidade com os alimentos e com isso será mais fácil de quererem experimentar. 


7. Envolva a criança na escolha do cardápio da semana 
Estimule a criança a ir para a cozinha e faça com que esses momentos sejam divertidos.  Peça a ajuda dela para montar o cardápio da semana, envolva ela na escolha dos pratos. Quando você for  a um restaurante com ela, deixe que ela escolha seu prato e você o dela, é uma maneira divertida e diferente de estimular e dar exemplo. Sem ameaças, a pior coisa que pode ser feita é obrigar a criança a comer. 

8. Fique tranquilo com a sujeira 
Inicialmente deixe que eles coloquem as mãos e sintam a textura, mesmo que façam sujeira. O mais importante é que eles sintam curiosidade em conhecer mais o alimento e associem comer com algo muito divertido. Estimule eles a comerem sozinhos, mesmo que suje no início.

9. Leve seu filho ao mercado ou faça uma hortinha em casa 
Levar as crianças para as compras do mês também pode ser uma ótima ideia para envolvê-los com a alimentação, mas evite de leva-los ao mercado com fome. Leve-os a feiras livres, peça para experimentar alguns alimentos. Outra  alternativa é fazer uma hortinha em casa, ou mesmo cultivar pequenos vasos de tempero. Além de facilitarem a culinária, ampliam o repertório de alimentos.


10. Transforme o ato de comer em uma brincadeira 
Por menor que pareça, o uso da imaginação empolga – e muito – as crianças. Usar  como referencia os pratos prediletos de alguns personagens como o espinafre do Popeye, sopa da Barbie (com beterraba, que fica rosa), dentre outros. 


11. Varie os formatos
 
Use cortadores diferentes para fazer formatos divertidos de pães e frutas. Use forminhas para a preparação de bolinhos individuais. Use e abuse da criatividade.

alimentos